Compartilhamentos

As obras de revitalização do Mercado Central, um dos espaços mais tradicionais de Macapá, começam no mês de julho. Pelo menos foi o que garantiu a Secretaria Municipal de Obras (Semob). A licitação deve acontecer no mês de maio e a previsão é que até dezembro os comerciantes e a população ganhem o espaço novo.

A grande novidade será a construção de uma praça onde hoje funciona o estacionamento do mercado. O recurso para a revitalização é do Programa Calha Norte, do Governo Federal. Segundo a Semob, a obra vai custar R$ 2,6 milhões.

Os boxes que ficam dentro do mercado serão ampliados

Os boxes que ficam dentro do mercado serão ampliados

“A revitalização prevê uma praça onde funciona o estacionamento, troca de telhado para metálico, climatização, ampliação dos boxes. Além de remoção dos restaurantes do entorno. A ideia é que todo o destaque seja dado ao prédio principal revitalizado”, ressaltou o secretário municipal de obras, Emílio Escobar.

O Mercado Central é um dos símbolos da história de Macapá. Foi inaugurado no dia 13 de setembro de 1953 pelo governador Janary Nunes e o prefeito Claudomiro de Moraes. O espaço tinha como finalidade comercializar os produtos da roça que eram desembarcados no Trapiche Eliezer Levy.

Marco Antonio de Moraes, trabalha no mercado há mais de 40 anos

Marco Antonio de Moraes, trabalha no mercado há mais de 40 anos

“Eu trabalho aqui há 42 anos. Vi esse espaço ser deteriorado e abandonado com o tempo. Queremos que seja reformado, mas que cada cidadão cuide desse patrimônio. Também queremos maior segurança por conta dos constantes assaltos”, pediu o comerciante Marco Antônio de Morais, de 59 anos.

Sebastião Antunes é assíduo frequentador do mercado

Sebastião Antunes é assíduo frequentador do mercado

Secretário Emílio Escobar: obras começam em julho

Secretário Emílio Escobar: obras começam em julho

O projeto de revitalização do Mercado Central conta com ampliação do espaço externo e lojas laterais. Para isso, será necessário realocar no mínimo 115 comerciantes de dentro e fora do mercado. Segundo a secretária de Desenvolvimento Econômico de Macapá, Suely Colares, durante as obras os comerciantes vão ficar alocados em tendas parecidas com a estrutura do Festival Gastronômico.

“Somos responsáveis pelos empreendedores que trabalham naquele espaço. Portanto, vamos acomodar todos em frente ao mercado. Isso não vai prejudicar a obra nem o comerciante que precisa dessa renda para viver”, destacou Suely.

Quem frequenta o espaço já esta ansioso para ver a nova cara do mercado. “Eu vi esse patrimônio cair aos pedaços. Saber que irão cuidar disso novamente é pensar que nossa cultura será preservada. Quero trazer minha família inteira para passear aqui no fim da tarde”, adiantou o ex-guarda territorial e frequentador assíduo do mercado, Sebastião Antunes Belém.

 

Compartilhamentos