Compartilhamentos

André Silva –

O novo presidente da União dos Negros do Amapá (UNA), Yuri Soledade, atira para todos os lados quando explica a situação caótica em que se encontra a instituição. Só com energia elétrica, a dívida  da UNA chega a R$ 470 mil. Além disso, a entidade deve R$ 250 mil de causas trabalhistas.

“Estamos em estado de calamidade”, afirma Yuri, ressaltando que a UNA é uma importante referência na cultura popular para a comunidade afrodescendente e não deveria estar nessa situação. Segundo ele, a estrutura dos prédios está comprometida, e que as administrações anteriores não fizeram nada para resolver os problemas.

Toda a estrutura interna da UNA está deteriorada

Toda a estrutura interna da UNA está deteriorada. Fotos: André Silva

Hoje, a UNA não está apenas afundada em dívidas e com problemas estruturais. Internamente, existe uma briga pelo comando da instituição, e isso acaba minando ainda mais a já fragilizada entidade. Yuri contou que a antiga presidência, representada por Raimunda Ramos, conhecida como Raimundinha, entrou com uma ação na Justiça para tirá-lo da direção da UNA, alegando que o processo que o elegeu não teve transparência.

“Dona Raimundinha não tem legitimidade, já que não era nem presidente da instituição e nem sócia fundadora. Ela ocupava o lugar do Aluízio da Silva Souza, o Armstrong, que recebeu das mãos do Raider Ardasse da Costa, o Rildo. Não existe documento legal que comprove a eleição do Rildo”, afirmou Yuri.

Yuri Soledade assumiu a presidência da entidade com dívidas de mais de R$ 1 milhão

Yuri Soledade assumiu a presidência da entidade com dívidas de mais de R$ 1 milhão

“A antiga presidência está respondendo na Procuradoria Geral da União a falta de prestação de contas de pelo menos R$ 1 milhão, fruto de convênios”, afirmou.

A ação na Justiça não avançou e Yuri Soledade permanece no cargo. Ele aponta que a UNA esta inapta junto ao governo federal e não pode acessar recursos oriundos do Ministério da Cultura (MinC). Ele denuncia que a antiga gestão fez algumas manobras para adquirir recursos, através da abertura de uma outra associação que funciona dentro do espaço da UNA.

Sem dinheiro para pagar dívidas, UNA usa até "gatos" para ter energia elétrica

Sem dinheiro para pagar dívidas, UNA usa até “gatos” para ter energia elétrica

“A UNA resume-se às programações do Dia da Consciência Negra e ao Encontro dos Tambores. Depois passa o resto do ano apagada”, desabafa Yuri.

O outro lado

Raimundinha Ramos rebate as acusações de Yuri, afirmando que nunca presidiu a entidade no lugar de ninguém. Ela disse que preside uma junta formada pelos sócios fundadores e conselheiros da instituição, que está trabalhando na elaboração de um relatório sobre a realidade atual da UNA. Ela confirmou que as dívidas da entidade somam R$ 1,3 milhão.

“Eu concordo de que a UNA ficou muito tempo resumida a apenas dois eventos. Por isso a necessidade desse pente fino que estamos passando nas contas”, afirma, ressaltando que quando deixou a presidência da UNA deixou uma estrutura montada, inclusive, com carro e móveis.

Raimundinha Ramos diz que presidindo uma comissão para lentar os problemas da UNA

Raimundinha Ramos diz que está presidindo uma comissão para levantar os problemas da UNA

Quanto a associação Centro de Cultura Negra, outra entidade criada dentro da UNA para receber recursos, que Yuri afirma existir, Raimundinha disse que não sabe da existência dessa associação.

Raimundinha concluiu afirmando que Yuri recolheu assinaturas e lançou um edital, que só podia ser lançado pelo Armstrong, presidente eleito. “Isso consta no estatuto da entidade, e ele não pode ser votado porque não faz parte da UNA. Ele pode se dar muito mau nessa”, afirmou.

 

Compartilhamentos