Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA – 

Está em exposição no Museu de Arqueologia e Etnologia do Amapá uma exposição de bonecas negras. O trabalho é feito por artesãs amapaenses que buscam contribuir no combate ao preconceito racial e as diferenças sociais. A exposição, que fica aberta até o fim de dezembro, tem contado com a participação de estudantes que desejam conhecer mais da história do povo negro brasileiro.

As bonecas negras são confeccionadas de vários materiais, e estão divididas por estações que vão desde eventos do tempo da escravatura até os dias de hoje, envolvendo a cultura dos povos afrodescendentes no Amapá e no Brasil.

Adervan Lacerda

Adervan Lacerda: palestras e filmes complementam a exposição. Fotos: André Silva

“A ideia é evidenciar a evolução da mulher negra na sociedade. Além de mostrar as bonecas, nós também realizamos palestras e mostras de filmes contando a história da mulher negra no Brasil. Sentimos que, como museu de arqueologia e etnologia, devíamos participar desse acontecimento que retrata a ascensão da mulher negra”, disse o diretor do museu, Adevervan Lacerda.

As peças são confeccionadas pelas artesãs Elenilda Gomes, que já trabalha há 18 anos como professora de arte da rede pública, e por Eunice Cordeiro da Silva, que é artesã e se dedica a arte afro.

Estudantes participam e aprendem com a exposição

Estudantes participam e aprendem com a exposição

Na tarde desta terça-feira, 25, alunos da Escola Estadual José de Alencar estiveram participando da programação e acharam muito interessante o que viram.

“Eu não conhecia toda essa historia do negro. Lá na escola eu até sofro preconceito por causa da minha cor, mas eu não ligo. Vi nos filmes que antes de mim muitos sofreram coisas piores”, disse o estudante do sexto período, Wellington Vinícius, de 13 anos.

Estudante

Estudante Wellington Vinícius: não conhecia toda essa história

A professora de ciências, Kelem Costa, levou os alunos para participarem do evento. “É importante que eles conheçam a diversidade que existe no mundo. Assim, eles criam consciência de que o racismo e a discriminação causam mal às pessoas”, afirmou a professora.

A s bonecas estão sendo comercializadas a preços que variam de R$ 30 a R$ 100.

As bonecas estão a venda a preços que de R$ 30 a R$ 100

As bonecas também estão sendo comercializadas

 

Compartilhamentos