Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

Uma denúncia anônima sobre homens supostamente armados levou a Polícia Militar a conduzir seis pessoas para a delegacia de polícia. Policiais do Batalhão de Policiamento Rodoviário Estadual (BPRE) apreenderam armas falsas, armas não letais, roupas militares e até um colete que seria da PM.

Pistolas eram falsas. Fotos: Olho de Boto. Foto de capa cedida pelo BPRE

Pistolas eram falsas. Fotos: Olho de Boto. Foto de capa cedida pelo BPRE

A prisão ocorreu por volta das 12h30min na Rodovia JK, próximo ao Clube dos Oficiais.

“O 4º BPM (responsável por Santana) recebeu a informação de que homens armados haviam desembarcado no Porto de Santana e repassaram a informação pra gente. Fizemos uma barreira e interceptamos o veículo”, explicou o tenente Alves Neto, do BPRE.

Uniformes de corporações foram apreendidos

Uniformes de corporações foram apreendidos

O Pálio tinha seis pessoas, quatro homens e duas mulheres. Dentro do veículo os policiais encontraram as armas, mas logo viram que se tratavam de réplicas de pistolas. Também havia um spray de pimenta, algemas, refil de colete balístico, capa de colete com identificação da Polícia Militar, cinto de guarnição, coturnos, calças da farda da PM, máscaras e uniformes da Guarda Civil de Macapá e de empresas de vigilância. Também havia um emblema do Instituto da Guarda Florestal.

Colete, refil e emblemas

Colete, refil e emblemas

Pedro da Silva, Mário Ricardo Pastana da Mota, Jonival Santos Maciel, Sidney de Carvalho Trindade, Suelem da Silva Santos e Elielma Pires da Silva foram apresentados no Ciosp do Pacoval. Jonival Santos Maciel tem um mandado de prisão em aberto por estelionato.

Acusados usavam uniformes para trabalhar como seguranças em festas particulares

Acusados usavam uniformes para trabalhar como seguranças em festas particulares

Nenhum dos passageiros é militar, vigilante ou membro de qualquer corporação oficial. Aos policiais militares eles disseram que estavam em Breves trabalhando como seguranças em festas particulares e que usavam os uniformes e as armas falsas para impor respeito durante o trabalho.

As mulheres foram liberadas, mas os homens serão processados

As mulheres foram liberadas, mas os homens serão processados

Um dos acusados declarou que alguns artigos foram comprados em uma loja especializada e o colete teria sido emprestado por um policial militar. O caso será investigado pela Polícia Civil e pela própria PM que abrirá procedimento interno.

Dos seis presos, dois responderão por crime de uso indevido de insígnia militar. 

Compartilhamentos