Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

Estudantes interditaram parte da Avenida Fab na tarde desta quarta-feira, 22, em protesto por melhores condições nas escolas. Enquanto isso, uma audiência pública discutia o assunto na plenária da Assembleia Legislativa do Estado (Alap).

Estudantes interditaram trecho da Avenida FAB que fica em frente a Alap. Fotos: André Silva

Estudantes interditaram trecho da Avenida FAB que fica em frente a Alap. Fotos: André Silva

Os alunos usaram apitos, faixas e palavras de ordem para trazerem à público as condições das escolas que frequentam. Segundo eles, falta água, ventiladores nas salas, merenda escolar de qualidade e segurança, tanto para quem estuda à noite na Educação de Jovens e Adultos (Eja), quanto para quem estuda no período diurno.

Gabriel dos Anjos, estudante: "

Gabriel dos Anjos, estudante: “falta de energia é constante na minha escola”

“O problema da minha escola é a falta de energia constante, ventilação nas salas, porque não tem ventiladores e nem central de ar, e segurança para as pessoas que estudam à noite. Já ouvimos falar que tinha até bandidos dentro da escola assediando as meninas no banheiro. Isso é muito sério”, desabafou o aluno Gabriel dos Anjos, de 13 anos, da escola José do Patrocínio.

Muitos alunos usaram a tribuna da Alap para declarar sua insatisfação com os políticos daquela casa.

Gabriel dos Anjos, estudante: "Estamos aqui lutando por nossos direitos.

Isabel Ribeiro, estudante: “Estamos aqui lutando por nossos direitos”

“Estamos aqui lutando por nossos direitos. A sala de informática da minha escola não funciona. A biblioteca é tão pequena que os livros são levados para a sala de aula. Devido ao calor, os alunos não conseguem se concentrar no que o professor está ensinando. Senhores deputados, é difícil vê-los aí sem fazer nada por nós, sendo que a constituição nos assegura uma educação de qualidade”, protestou Isabel Ribeiro, de 17 anos, estudante da escola José Benigna de Sousa.

Estudantes e professores lotaram as galerias da Alap

Estudantes e professores lotaram as galerias da Alap

O Sindicato dos Servidores Públicos em Educação no Amapá (Sinsepeap) esteve presente na audiência. Os professores que acompanhavam seus alunos confirmam a falta de atenção do estado e do município quando o assunto é educação. Alguns até não acreditam que a audiência possa provocar alguma mudança na atual realidade.

Coordenadora pedagógica,

Luciana Abreu, coordenadora pedagógica: “não vemos a intenção do poder público em ajudar”

“Nós estamos com muitas dificuldades na estrutura. Não temos quadra, nossas atividades culturais e pedagógicas ficam limitadas as salas de aula, sendo que as salas são precárias. Os problemas são muitos e não vemos intenção do poder público em ajudar”, desabafou a coordenadora pedagógica da escola Benigna Moreira, Luciana Abreu Lima.

A audiência foi proposta pelo deputado estadual Charles Marques e estiveram presentes alunos das escolas Benigna Moreira, Maria Ivone de Menezes e José do Patrocínio.

Compartilhamentos