Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

A Ponte Sérgio Arruda não corre risco de cair. É o que garantiu a Secretaria Municipal de Obras (Semob), na tarde desta terça-feira, 14. O secretário da pasta, Emilio Escobar, disse que o problema não está na ponte em si, mas nas rampas que dão acesso a ela. E serão elas que passarão por reforma.

O secretário explicou que as placas de concreto que formam uma espécie de caixa, que compõem cada rampa, começaram a se movimentar. A esse movimento ele chama de cinemática, que é o movimento desordenado dessas placas.

secretário

Emilio Escobar, secretário de Obras de Macapá “ao que tudo indica e pela minha experiência, o problema está no solo que é muito falso”. Fotos: André Silva

“Nesse movimento criou-se espaços entre uma e outra peça. E pelos espaços que foram abrindo, parte do material começou a escapar. Essas rampas de acesso são cheias de aterro”, explicou o secretário.

O interior dos acessos da ponte são preenchidos com aterro e esse aterro é que vem cedendo. Emílio Escobar fez parte da equipe de construção da ponte na época. Ele conta que o aterro que fica dentro das rampas foi bem compactado. O secretário foi o engenheiro responsável pela ponte, mas deixa claro que as rampas de acesso não foram de sua responsabilidade.

Deslocamento de

Vão formado entre partes da estrutura da ponte

“Nós não temos nenhum problema na ponte. É uma ponte de concreto protegido, de alta durabilidade. O problema está nas placas”, argumenta.

O secretário considera que “ao que tudo indica e pela minha experiência, o problema está no solo que é muito falso”, ponderou.

Para solucionar o problema, a prefeitura convocou o engenheiro Nagibe Charone do Pará, especializado em estruturas. Nagibe vai preparar um laudo sobre o problema e apontar soluções.

Ponte é a principal ligação entre a Zona Norte e o restante da capital

Ponte é a principal ligação entre a Zona Norte e o restante da capital

Entre as medidas a serem tomadas será a de amarrar as placas de concreto, para que elas não se desloquem de forma desordenada. Elas serão grampeadas com ferro e receberão uma porção de cimento expansivo nos vãos que se formaram por conta da movimentação, assim ficarão estáticas e unidas.

Pedaço que caiu deixou moradores preocupados. Fotos: André Silva

Pedaço que caiu deixou moradores preocupados

O custo dessa etapa, o grampeamento das placas, será de R$ 15 mil. Futuramente as rampas serão abertas e mais aterro será jogando dentro das estruturas. Escobar descarta a possibilidade da construção de uma nova ponte.

“Seria loucura. A melhor solução é essa que foi apontada por Nagibe”, finaliza.

Compartilhamentos