Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

O governo do Estado anunciou na tarde desta quinta-feira, 11, que o processo de regularização das terras da União para o Amapá será conduzido pelo Exército. 

O governo irá firmar convênio com o Exército depois que a corporação terminar a confecção da nova base cartográfica do Amapá.  

“Iniciamos este processo pautados em garantir transparência em cada passo do processo. O Exército Brasileiro já vem desenvolvendo um trabalho de muita credibilidade com a elaboração da base cartográfica. A experiência deles contribuirá diretamente com a regularização”, avaliou o governador Waldez Góes (PDT).

“Reunimos todas as condições técnicas, tecnológicas e logísticas para assumir esta missão. Estamos à disposição para contribuir com o Estado do Amapá. A expectativa é que as tratativas ocorram no decorrer deste segundo semestre, e que os trabalhos de campo possam iniciar em fevereiro de 2017”, informou o tenente-coronel, Wagner Braga. 

Governador, militares e o primeiro escalão discutem a transferência da regularização fundiária para o Exército. Foto: Secom

Governador, militares e o primeiro escalão discutem a transferência da regularização fundiária para o Exército. Foto: Secom

O decreto que regulamentou a transferências das terras da União para o Amapá foi assinado em abril pela presidente Dilma Roussef (PT). O governo decidiu compartilhar com a sociedade civil organizada (índios, quilombolas, igrejas, cooperativas), classe política e órgãos de controle todas as informações sobre andamento da regularização.

No total, são 23 glebas, o equivalente a 25% de todas as terras do Amapá. Os outros 75% são unidades de conservação já homologadas.

Compartilhamentos