Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

Agentes da Polícia Federal no Amapá estão cumprindo desde o início da manhã desta quinta-feira, 11, dezenas de mandados de prisão, busca e apreensão, condução coercitiva e sequestro de bens nas cidades de Macapá e Santana. A operação, batizada da ‘Isis’, investiga fraudes no pagamento de benefícios para idosos.

Ao todo, a 4ª Vara da Justiça Federal de Macapá expediu 13 mandados de prisão preventiva (sem prazo), 16 de busca de apreensão, além de quatro mandados de condução e sequestro de bens.

Segundo a PF, uma quadrilhava usava nomes e documentos falsos para receber benefícios do fundo de Amparo Social ao Idoso (Loas).

As investigações começaram no fim do ano passado depois que a própria agência executiva do INSS de Macapá detectou irregularidades que resultaram numa primeira operação com a prisão de três pessoas. Todas confessaram os crimes e foram indiciadas.

O grupo contratava pessoas que, mesmo sem a idade mínima para o beneficio (65 anos), agendavam atendimento no INSS e se habilitavam para receber o auxílio graças a documentos falsos.

O golpe já teria representado um prejuízo de R$ 400 mil. A PF calcula que tenha evitado um prejuízo de R$ 5,8 milhões se os fraudadores continuassem recebendo o benefício nos próximos anos.

Entre os erros que permitiram a identificação das falsificações está o mesmo erro em várias certidões de nascimento. Em vez da palavra “matrícula” estava escrito “mutricula” em diversos documentos.

A Polícia Federal ainda não informou se todos os mandados expedidos foram cumpridos e se havia funcionários públicos envolvidos no esquema.

Participam da investigação o Ministério Público Federal e a Assessoria de Pesquisa Estratégica Gestão e Risco (APEGR).

Compartilhamentos