Compartilhamentos

SELES NAFES

O dono do cachorro morto a golpes de terçado na Zona Sul de Macapá, esta semana, vai registrar boletim de ocorrência na Delegacia de Crimes Ambientais (Demam) nesta segunda-feira, 5. Um laudo revelou que o animal teve a coluna vertebral partida em 4 quatro partes pela violência dos golpes.

O crime ocorreu na última quinta-feira, 1º, no Bairro Jardim Marco Zero, numa das ruas de acesso ao Sambódromo. O nome do acusado não foi divulgado, mas ele seria autônomo.

Segundo relato de testemunhas, Rat, um cachorro que pertencia a um militar do Corpo de Bombeiros do Amapá, era um animal dócil e querido na rua.

Animal agonizou durante 30 minutos antes de ser socorrido

Animal agonizou durante 30 minutos antes de ser socorrido

“Ele ficava em casa, mas as crianças sempre chamavam ele para brincar na rua”, explica o diretor da ONG Unidade de Proteção Animal Costelinha, Victor Hugo.

Na quinta-feira, um garoto teria chutado o animal que reagiu e mordeu a criança. O pai do menino se armou com um terçado e iniciou a perseguição. Tentando se salvar, o animal tentou entrar em uma casa e ficou preso nas grades. Rat foi trucidado.

Vizinhos que presenciaram a cena chamaram a ong. O cachorro agonizou cerca de meia hora antes de ser levado às pressas até uma clínica onde morreu.

Rat era querido na rua, mas teria reagido ao chute do garoto, segundo ONG. Fotos: Upac/Divulgação

Rat era querido na rua, mas teria reagido ao chute de um garoto, segundo ONG. Fotos: Upac/Divulgação

O laudo veterinário demonstrou que Rat morreu de choque pela perda de sangue, e teve a coluna partida em quatro partes, além de 8 costelas quebradas. Foram pelo menos 15 golpes de terçado. O caso causou comoção nas redes sociais com mais de 244 mil reações no Facebook e quase 3 mil comentários. 

“A rua inteira presenciou aquela cena, e os moradores ficaram revoltados. Nesta segunda-feira vamos acompanhar o proprietário do animal na delegacia levando todas as provas”, adiantou Victor Hugo.

O portal SELESNAFES.COM não conseguiu contato com o acusado.

Compartilhamentos