Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

Senadores, deputados federais e um representantes da OAB do Amapá foram recebidos em audiência na tarde desta terça-feira, 7, pelo ministro das Minas e Energia, Fernando Filho. Os parlamentares, liderados pelo coordenador da bancada, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), pediram que o reajuste de 45,66% (já vigente) seja suspenso e depois diluído. 

“A população foi pega de surpresa, e com esse reajuste o impacto no bolso das famílias vai ser grande. Por isso pedimos a suspensão da cobrança. No mínimo, ela poderia ser reajustada aos poucos e não de uma vez”, argumentou Davi Alcolumbre.

“O funcionalismo público está com os salários parcelados, o comércio está em declínio e precisamos de uma solução, pois a população não pagará a conta e o estado continuará inadimplente” acrescentou o senador.

Parte dos representantes do AP. Foto: OAB/Divulgação

Parte dos representantes do AP. Foto: OAB/Divulgação

O ministro Fernando Filho, disse que vai ouvir representantes da Companhia de Eletricidade do Amapá e da Agência Nacional de Energia Elétrica, e depois fazer uma nova reunião com a bancada do Amapá.

“Já foi um avanço porque houve uma formalização da bancada para que o ministro faça a mediação com a Anel. Apresentamos a alternativa da suspensão e eu sugeri o escalonamento da tarifa. Esse reajuste pode gerar uma inadimplência enorme para a CEA, já que o aumento atinge 178 mil unidades consumidoras”, disse o representante da OAB do Amapá, Washington Picanço.

Além do senador Davi e de Washington Picanço, estavam na audiência os senadores Randolfe Rodrigues (REDE), João Capiberibe (PSB), e os deputados Marcos Reátegui (PSD), Cabuçu Borges (PMDB) e Janete Capiberibe (PSB). 

Compartilhamentos