Compartilhe

SELES NAFES

O município de Oiapoque, a 590 quilômetros de Macapá, está à beira do isolamento por via terrestre. Os ônibus intermunicipais estão levando mais de 24 horas para vencer os atoleiros. As viagens noturnas estão suspensas.

O inferno começa depois da localidade de Primeiro do Cassiporé, a 90 quilômetros de Oiapoque. São seis atoleiros gigantescos que compreendem um trecho de 12 quilômetros.

Na tarde desta terça-feira, 18, um ônibus cheio de passageiros aguardava há mais de 20 horas a vez de ser puxado por um trator do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit).

“Mulheres, idosos e crianças estavam passando fome e sede. Não tem nenhum lugar onde comprar água ou alimentos”, relatou uma viajante que chegou a Oiapoque após 12h de sufoco em uma caminhonete, que também precisou ser puxada.

Trecho complicado começa no Primeiro do Cassiporé

Trecho complicado começa no Primeiro do Cassiporé

Motorista avalia se prossegue viagem

Motorista avalia se prossegue viagem

Uma das passageiros, a dona de casa Maria Teixeira, de 53 anos, estava voltando de Macapá onde faz tratamento para uma doença renal grave. Estava há horas sem beber água.

“Minha maior preocupação é não ter como avisar minha família que ainda estou aqui na estrada”, lamentava.

Por enquanto, as empresas intermunicipais estão mantendo as viagens diurnas.

“Cancelamos apenas a viagem noturna porque o Dnit disponibilizou máquinas para puxar os ônibus de 6h às 18h. Quem chega no trecho à noite precisa esperar amanhecer para ser puxado pelo trator”, explicou o diretor de Transportes da Secretaria de Transportes do Estado (Setrap), Andrey Rêgo. 

Passageiros à espera de apoio, sem água ou alimentos

Passageiros à espera de apoio, sem água ou alimentos

Maio de 2015: viajante come churrasco improvisado na beira da BR, no mesmo sufoco de sempre

Maio de 2015: viajante come churrasco improvisado na beira da BR, no mesmo sufoco de sempre

Empresas suspenderam viagens

Junho de 2014: empresas suspenderam viagens

O ônibus que levava equipes da Secretaria de Inclusão e Mobilização Social (Sims) para uma programação na Aldeia do Manga, alusiva ao Dia do Índio, chegou parcialmente destruído à sede de Oiapoque, após 18 horas de viagem.   

O governador Waldez Góes (PDT) e o diretor do Dnit, Fábio Vilarinho, sobrevoaram a região e foram para Oiapoque nesta manhã, onde ocorrem os festejos do Dia do Índio.

Compartilhe