Compartilhamentos

Coluna EM OFF, por SELES NAFES

Carrada I

O Pleno do Tribunal de Justiça do Amapá (Tjap) vai decidir se recebe, ou não, mais 13 ações penais propostas pelo Ministério Público do Estado, desta vez derivadas da Operação Mãos Limpas (2010). A análise será feita em audiência nesta quarta-feira (17).

Carrada II

Os deputados e ex-deputados são acusados de irregularidades no uso de verba indenizatória. Na mesma sessão, deve ser julgado o pedido de sustação da ação movida contra os deputados Moisés Souza (PSC), Kaká Barbosa (PT do B), o ex-deputado Edinho Duarte, e ex-diretores da Alap. O MP questiona as notas fiscais apresentadas por Kaká. O relator é o desembargador Carmo Antônio.

Carrada III

As 13 ações fazem parte de uma leva de 20 processos ajuizados pelo MP em janeiro deste ano contra os deputados acusados de um prejuízo de R$ 17 milhões. Cinco ações foram admitidas pelo pleno do Tjap em abril, o que tornou os políticos réus nos processos. Vários ex-deputados aparecem na lista de denunciados, como Joel Banha, Jorge Salomão, Eider Pena, Jorge Amanajás, Paulo José e Ruy Smith.

Café no bule

Fábio Renato, da Você Telecom

Lucas Barreto indo pro PTB

Dois que andam tomando bastante café para falar de política são o empresário Fábio Renato (Você Telecom) e o ex-vereador de Macapá, Lucas Barreto. Lucas já decidiu que assinará ficha no PTB, e convidou o empresário para acompanhá-lo no ingresso na legenda, além de uma possível dobradinha em 2018. 

Praça de Cabralzinho

Na volta de Oiapoque, após participar de comemoração do aniversário do Laudo Suíço, Waldez Góes fez algumas paradas pelo caminho. Em Amapá, visitou as obras da Praça de Cabralzinho, que está com 90% das obras concluídas e está orçada em R$ 3 milhões.

Santana Botequim

Nilson Chaves vai voltar ao Amapá no dia 3 de junho, desta vez para show no município de Santana. Vai dividir o palco com o cantor e compositor Cley Lunna, na V11 Gold Prime Café. No ano passado os dois fizeram vários trabalhos juntos. Cley Lunna é um dos artistas mais contratados da noite amapaense.

Falta de delegados

Chegou a um ponto crítico a situação de algumas delegacias de polícia do Amapá. Além da estrutura física, delegados precisam se revezar para cobrir plantões na capital e no interior. A sensação de desânimo é geral.

Compartilhamentos