Acusado de furtos em série tem habeas corpus negado

A defesa de Benivan Araújo alegou que a prisão seria um constrangimento ilegal
Compartilhamentos

SELES NAFES

O desembargador Gilberto Pinheiro, do Tribunal de Justiça do Amapá (Tjap), negou habeas corpus a Benivan Araújo Santos, de 35 anos. Ele é acusado de efetuar furtos em série no interior de automóveis que ele conseguia abrir com ajuda de um dispositivo eletrônico chamado de “Chapolin”.

A decisão é do último dia 29. A defesa alegou que a prisão preventiva, no caso de Benivan Araújo, seria um constrangimento ilegal para “coagi-lo a cumprir medida mais severa do que a possível pena a ser aplicada”.

A defesa também alegou que o acusado seria réu “tecnicamente” primário, estudante universitário, com ocupação lícita e residência fixa.

O desembargador, no entanto, entendeu que a manutenção da prisão é necessária.

“A autoridade (…) deixou exposto que a custódia cautelar se fazia necessária para assegurar futura aplicação da lei penal e por conveniência da instrução criminal, dadas as suas condições pessoais”, comentou o magistrado.

Policia aguarda a presença das vítimas para pedir a devolução dos objetos apreendidos com Benivan Araújo e a professora Maria Farias. Fotos: Olho de Boto

Sobre a expressão “tecnicamente primário”, usada pela defesa, o desembargador deixou claro que Benivan Araújo já respondeu a outros processos, e que num deles chegou a fugir da cidade.  

E ainda sobre a prisão atual ser supostamente maior do que a pena que poderá ser aplicada, Gilberto Pinheiro avaliou que os furtos sistemáticos poderão gerar pena superior a 8 anos de encarceramento em regime fechado.

Benivan Araújo foi preso em flagrante no Bairro da Hospitalidade, no município de Santana, no dia 9 de maio, numa operação da Polícia Civil que investigava uma sequência de furtos onde os carros não eram arrombados. Em todos os casos, os motorista afirmaram ter trancado os veículos com o controle remoto da chave.

Porta-malas do carro do acusado lotado de mochilas e bolsas furtados

Contudo, segundo a polícia, Benivan Araújo seguia as vítimas na saída de bancos e lojas. Quando a pessoa deixava o veículo, ele acionava um “Chapolin” (aparelho parecido com controle de portões eletrônicos) para bloquear o sinal e impedir o travamento das portas.

No dia da prisão, Benivan Araújo estava com o porta malas lotado de bolsas, mochilas e aparelhos eletrônicos furtados. Ele teve a prisão flagrante convertida em preventiva no dia 11 de maio.

A professora Maria da Silva Fatias, presa junto com ele, foi colocada em liberdade no último dia 26, mas ela responde ao processo acusada de ser cúmplice. 

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.