Compartilhamentos

SELES NAFES

Policiais da Delegacia de Fazenda Pública do Amapá cumpriram nesta terça-feira (15) vários mandados de busca e apreensão nas cidades de Macapá e Santana. A Defaz investiga uma quadrilha acusada de fraudar a folha de pagamento do Estado para contrair empréstimos consignados em nome de servidores públicos.

As investigações começaram em agosto do ano passado, quando a Secretaria de Administração do Estado (Sead) começou a receber queixas de funcionários estaduais.

As histórias eram sempre as mesmas: na hora de receber o salário o funcionário era surpreendido por um empréstimo que ele afirmava não ter solicitado. Muitos empréstimos passavam dos R$ 10 mil.

Os hackers tinham acesso às margens de empréstimo dos servidores. Ou seja, a capacidade que cada funcionário tem para contrair empréstimo em folha.

Com essas informações e os dados pessoais dos servidores, os criminosos inseriam nomes de cúmplices no sistema e conseguiam acessar remotamente o programa que libera empréstimos consignados.

Em maio deste ano, agentes da 6º DP chegaram a prender dois homens envolvidos nas fraudes. Com os depoimentos deles foi possível chegar aos endereços onde os hackers moram, um na Baixada do Ambrósio, em Santana, e outros nos bairros Central e Zerão, na zona sul de Macapá. A colaboração da Sead na apuração das informações foi essencial para o avanço da investigação.

HDs e computadores foram apreendidos nas residências dos criminosos, que por enquanto continuarão respondendo em liberdade.

A Delegacia de Fazenda ainda não sabe dizer quantos servidores foram lesados e o total do prejuízo. Os laranjas são usuários de drogas.

“As pessoas emprestavam seus nomes em troca de substâncias entorpecentes”, revelou o delegado Flávio Souza, que investiga os casos. O inquérito continua. Os nomes dos envolvidos não foram divulgados.

Compartilhamentos