Compartilhamentos

O peixe é realmente a principal refeição durante a Semana Santa. De acordo com a Agência de Pesca do Amapá (Pescap), o amapaense deve consumir 200 toneladas de pescado até o domingo de Páscoa. Mas o interessante disso, é que cada um tem uma receita diferente para preparar o peixe que mais aprecia. Nossa reportagem foi conferir quais as espécies de peixes mais procuradas pela população e as receitas mais comuns. Vale a pena fazer em casa e reunir a família.

Angélica Lima: "caldeira com bastante cebola"

Angélica Lima: “caldeira com bastante cebola”

A enfermeira Angélica Lima, de 51 anos, acredita que o segredo de uma boa caldeirada de filhote é a chicória. “Eu faço caldeirada com bastante cebola, alho, pimentinha, cheiro verde e muita chicória. O que dá o gosto diferente é a chicória. Essa receita eu aprendi com a minha mãe. Todo sábado em casa comemos peixe, e agora na Semana Santa é todo dia. Para fritar o peixe é bom colocar pouco óleo e o fogo baixo, assim ele frita melhor e não queima”, aconselha.

Cerca de 200 toneladas de pescado à venda na Feira do Peixe Popular

Cerca de 200 toneladas de pescado à venda na Feira do Peixe Popular

Muitas pessoas gostam mesmo é de ousar na cozinha. A gestora de recursos humanos Rosa Moura, revela sua receita. “Aprendi uma receita de filhote no leite de coco e dendê que é uma delícia. Corta o filhote pelas costas, tempera com sal, limão, cebola e tomate. Depois deixa pegar o tempero. Coloca uma panela grossa no fogo com água e uma xicara de dendê. Quando ferver coloque o peixe e depois o leite de coco. Tem que ficar provando pra saber quando tiver no ponto que é quando os dois temperos ficam bem apurados. Depois e só se deliciar com a família”.

Manuel Macedo: Pirapitinga assada

Manuel Macedo: Pirapitinga assada

Os homens também vão para a cozinha. O funcionário público Manoel Macedo, por exemplo, gosta de Pirapitinga assada na brasa. “Esse peixe só é bom assado. Eu tempero com sal grosso e limão, depois coloco coentro e pimentão na barriga do peixe. Então começo a assar. É simples e rápido, além disso o tempero fica ótimo. A gente sente o gosto do peixe com o pimentão. Essa receita é boa pra quem gosta de uma coisa mais picante”, exemplifica.

Sueli Santos: tamuatá ao estilo do Pará

Sueli Santos: tamuatá ao estilo do Pará

Mas são as mulheres mesmo que mandam as melhores receitas. No caso de Sueli Santo, o tamuatá é o peixe escolhido para o almoço da Sexta-Feira Santa. “O que eu faço é a receita tradicional de Belém. Limpo bem o peixe, coloco no fogo com água e depois tempero com sal, cominho, coloral, cebola, tomate, pimentão, cheiro-verde, alho e bastante tucupi”, conta a paraense. “fica uma delícia”, comemora.

Demétrius Ribeiro

Demétrius Ribeiro prepara o peixe junto com a mulher

Tem também parceria na cozinha. Demétrius Ribeiro foi à feira com a família e decidiu comprar pirapitinga. “Em casa eu e minha mulher fazemos a comida juntos. Eu ajudo a cortar e juntar os temperos: cheiro-verde, coentro, cebola, tomate, alho, além de sal e coloral. Mas o amor é o grande segredo para ficar gostoso”, declara.

Pelo jeito, os homens tomaram mesmo conta da cozinha. Na casa de Sônia Santos (na foto principal dessa reportagem junto com o marido) quem vai pro fogão é o esposo dela, Claúdio Santos. “É o seguinte: segredo eu não conto. Mas a piramutaba tem que ser feita assada na brasa, temperada com vinagrete e pimenta. Além disso, tem que ter bastante cebola”. A receita do “cozinheiro” da Sônia é aprovada por ela, é claro. “Ele tem as mãos divinas, acho que me casei pela barriga”, brinca ela.

Raimunda Darc e o tucunaré frito

Raimunda Darc e o tucunaré frito

A idade com certeza traz experiência. Dona Raimunda Darc, de 55 anos, é um exemplo disso. Ela é quem comanda a cozinha em casa. Para esta sexta-feira ela vai preparar um tucunaré frito. “O tempo aperfeiçoa a culinária. Para preparar o peixe é bom deixar pegar bem o tempero. Eu gosto de usar cebola, sal grosso, pimentão e fritar no azeite de oliva. Fica uma delícia e é muito saudável.

 

Compartilhamentos