Compartilhamentos

Os pais da menina Maria Helena, de 4 meses, que morreu no Pronto Atendimento Infantil (Pai) no último sábado, 24, estão denunciando ao Ministério Público Federal que a morte da criança teria acontecido por negligência da Secretaria Estadual de Saúde (Sesa). A criança precisava ser transferida em caráter de urgência para uma Unidade Pediátrica de Tratamento Intensivo (UTI). Nesta quarta-feira, 28, os pais prestam depoimento no MPF.

Pais depositam flores no sepultura de Maria Helena

Pais depositam flores no sepultura de Maria Helena na terça-feira, 27


Maria Helena foi internada no PAI no dia 28 de abril, depois que a família percebeu que ela tinha dificuldade para manter a respiração enquanto dormia. Primeiro, a menina foi levada para a Unidade Básica de Saúde Marcelo Cândia, na Zona Norte de Macapá, onde a pediatra de plantão pediu a transferência imediata dela para o PAI, onde poderia receber tratamento mais adequado.

Foi constatado um problema no pulmão esquerdo de Maria Helena.“Por isso que ela tinha tanta dificuldade para respirar, pois apenas um dos pulmões estava fazendo o trabalho do sistema respiratório. Com o tempo, percebemos que ela acordava ofegante e com os lábios roxos, por isso corremos atrás de atendimento médico”, contou a mãe da menina, Valda Patrícia.

Quando deu entrada no PAI, a menina foi mantida em um leito até que a gravidade da doença foi descoberta. Após isso, ela passou para a UTI. “Quando um dos médicos informou que ela precisa de uma cirurgia de emergência, o caso foi encaminhado para o programa de Tratamento Fora de Domicílio (TFD) de onde deveria ser encaminhada para um hospital com os equipamentos necessários para a realização da cirurgia”, explicou pai de Maria Helena, Evandro Oliveira.

Maria Helena em estado grave. Transferência demorou demais

Maria Helena em estado grave. Família fez questão de divulgar a foto. Transferência demorou demais


Como não recebeu o atendimento no tempo esperado, a família de Maria Helena começou a fazer manifestos em frente ao Palácio do Setentrião, pedindo agilidade na transferência da criança. Representantes do governo atenderam os pais e prometeram que em menos de 48 horas a menina seria transferida. “Esperamos até sexta-feira, 23, por uma resposta, porém ela não veio. No dia seguinte minha filha faleceu às 8 horas da noite na UTI do PAI”, relembrou Valda.

Pai vai prestará depoimento nesta quarta-feira, 28, ao MPF

Pai  prestará depoimento nesta quarta-feira, 28, ao MPF


Servidores do PAI informaram aos pais de Maria Helena que o problema não foi falta de médico, mas sim de equipamentos no Estado para realizar a cirurgia de emergência. A família também está denunciando as precariedades no atendimento dentro do PAI. Eles entregarão ao MPF fotos que mostram a falta de material e a concentração de mofo nas dependências do hospital, principalmente nas alas da UTI.
Evandro Oliveira, estará prestando depoimento ao MPF na manhã desta quarta-feira, 28, quando vai formalizar a denúncia contra o Estado. A direção do Pronto Atendimento Infantil disse que todos os esforços foram feitos para salvar a vida de Maria Helena, mas não haveria leitos disponíveis em UTIs de hospitais de outros Estados.

Compartilhamentos