Compartilhamentos

A partir desta terça-feira, 22, o Instituto de Administração Penitenciário do Amapá (Iapen) vive um novo momento.  A Polícia Militar foi retirada do complexo e todo o serviço de vigilância ostensiva e preventiva passa a ser responsabilidade dos agentes penitenciários. No primeiro dia foram reativadas as 13 guaritas que rodeiam o complexo. Antes apenas quatro funcionavam. O trabalho da PM no Iapen era feito com 100 policiais, sendo que apenas 20 ficaram para apoio às ações dos agentes.

O resultado da reativação das guaritas apareceu logo. Por volta das 10 horas da manhã os agentes penitenciários Martel, Edieldon e Garcia perceberam uma movimentação estranha do lado de fora. Foram verificar e prenderam um homem que tentava jogar uma bola de futebol com aproximadamente 500 gramas de maconha para dentro do pátio. Edielson Amanajás desceu de uma moto na rodovia e andou até o muro do Iapen. Esse flagrante só foi possível devido á ativação de todas as guaritas do Instituto.

IMG-20140722-WA0051

Edielson Amanajás tentava jogar um bola cheia de drogas para dentro do Iapen

A Polícia Militar foi retirada do complexo porque no mês passado foram chamados 250 agentes penitenciários que passaram no último concurso público. A direção do Iapen afirma que esse número é suficiente para manter a segurança sem a presença maciça dos PMs, sendo que hoje existem mais de mil presos no Instituto. Os 80 policiais liberados devem retornar a postos de vigilância nas ruas.

IMG-20140722-WA0064

Drogas que estavam dentro da bola

De acordo com a diretora do Iapen, Joseane Carvalho, o flagrante do homem que tentava jogar droga por cima do muro é parte de um planejamento de vigilância feito pela direção para ativar as guaritas. “Esse planejamento já vinha sendo feito. Mas a vigilância reforçada só foi possível porque os novos agentes chegaram. Isso reforça a segurança interna e externa”, afirmou

Fotos do flagrante: Agepê Baia

Compartilhamentos