Compartilhamentos

A violência nas escolas públicas do Amapá será assunto de uma audiência pública que a Secretaria de Estado da Educação (Seed) pretende realizar ainda este ano. A iniciativa surgiu depois que professores e alunos da escola Elenize Valmira, localizada na linha B do KM 9, passaram momentos de terror nas mãos de criminosos. A audiência pretende discutir e viabilizar mais segurança nas escolas, assim como sugerir a criação do Batalhão de Policiamento Escolar.

Professores e técnicos da escola Elenize Valmira estiveram na manhã desta terça-feira, 4, com coordenadores de Educação Básica Profissional da Seed na tentativa de buscar uma solução para o problema da violência que têm sofrido. Os profissionais estão trabalhando com medo devido a falta de segurança no ambiente educacional. “Constatamos que a escola fica em uma numa localidade muito vulnerável. O problema não é com a escola e sim o local onde ela está localizada. Então, juntos com os professores, decidimos realizar uma audiência pública para tentar viabilizar soluções para esse problema”, explicou a coordenadora de Educação Básica profissional da Seed, Rosinete Rodrigues.

Rosinete Rodrigues, Coordenadora de Atenção Básica

Rosinete Rodrigues, Coordenadora de Atenção Básica

Segundo a Seed este ano já foram registrados assaltos em outras escolas, entre elas Carmelita do Carmo, Deusolina Salles e Augusto Antunes. A audiência ainda não tem data marcada, mas deve acontecer ainda este ano. A proposta da Seed e dos profissionais de educação é que seja criado o Batalhão de Policiamento Escolar. “Temos certeza que com esse policiamento efetivo nas escolas poderemos diminuir muito os assaltos e roubos que estão cada vez mais recorrentes”, afirmou a coordenadora.

Na reunião de hoje, a Seed prometeu aos professores, alunos e técnicos da escola Elenize Valmira que vai solicitar à Polícia Militar que dê mais apoio ao local. Além disso, quem precisar terá atendimento psicológico. De acordo com a Seed, a escola possui cerca de 600 alunos do ensino fundamental, médio e educação de jovens e adultos. A parte de iluminação da escola também será recuperada pela Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA).

Compartilhamentos