Compartilhamentos

O Encontro de Criadores de Pássaros, que aconteceu no fim de semana, na Praça Veiga Cabral, no Centro de Macapá, atraiu dezenas de pessoas interessadas no assunto e foi considerado um passo importante na organização dessa cultura que faz parte dos costumes amazônicos e virou um negócio altamente rentável. O evento, que foi realizado pela Secretaria de Estado meio Ambiente (Sema), teve o objetivo de chamar atenção para a regularização desses criadores.

“A Sema hoje está realizando o pré-cadastro, um passo importante para legalização. Se pessoa estiver de acordo com a lei, o documento final sai de 30 a 60 dias. A grande preocupação do Estado é justamente regularizar para inibir o comércio ilegal. O primeiro passo foi dado com sucesso”, destacou o secretário de Meio Ambiente, Marcelo Creão.

Os passaricultores, como são chamados os criadores, acompanhados dos pássaros de estimação, dividiram experiências, tiraram dúvidas e apoiaram a ação de regularizar as aves.

Dezenas de criadores se encontraram na Praça Veiga Cabral, no Centro de Macapá. Fotos: Agência Amapá

Dezenas de criadores se encontraram na Praça Veiga Cabral, no Centro de Macapá. Fotos: Agência Amapá

O autônomo Elias Monteiro, que tem um bicudo há mais de vinte anos, contou que na primeira oportunidade que teve legalizou a ave para não correr risco de perdê-la.

“Ele é o xodó da casa. Um grande companheiro, por isso, decidimos legaliza-lo para que nada o impeça ficar com a nossa família”, contou.

Até hoje, dois mil pássaros já foram legalizados no Amapá. A legalização permite além da criação, que o proprietário tenha a procedência da ave. O bicudo do Elias, por exemplo, possui informações importantes na sua ficha, como data de nascimento e filiação, indicando o nome do pai e da mãe. É um pássaro nascido em cativeiro totalmente legalizado.

No Amapá existem quatro associações de criadores de pássaros, com um total de cinco mil pessoas cadastradas. No Estado, é permitida a criação em cativeiro de duas espécies: bicudo e curió. A permissão é garantida por serem espécies de comprovada procriação em cativeiro.

As pessoas interessadas em legalizar os pássaros devem procurar a Secretaria de Estado do Meio Ambiente, localizada na Avenida Mendonça Furtado, no Centro de Macapá.

 

Compartilhamentos