Compartilhamentos

Com as vendas em baixa, o comércio de Macapá busca nas datas comemorativas um pouco de ar para respirar na recessão que se instalou no País. Agora, a expectativa se volta para o Dia das Crianças, daqui a três semanas. Segundo o IBGE, em 2015 o comércio amapaense amarga seu pior desempenho em comparação aos anos anteriores.

“As datas comemorativas têm nos dado o fôlego que precisamos para sobreviver nessa crise”, confirmou o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas, Marcos Cardoso.

Marcos Cardoso, presidente da CDL: datas comemorativas nos dão fôlego. Foto: André Silva

Marcos Cardoso, presidente da CDL: datas comemorativas nos dão fôlego. Foto: André Silva

O resultado das pesquisas que o IBGE divulgou na semana passada já era esperado pelos lojistas, quem têm sentido na pela a queda nas vendas todos os dias. Com lojas fechando e os clientes cada vez mais longe, eles apostam na queima de estoques e nas promoções para atrair os clientes de volta às lojas.

A alta de impostos também tem sido parte das principais reclamações dos empresários. Eles dizem que está difícil aguentar tamanha carga tributaria.

“Existem comerciantes que estão deixando de pagar alguns títulos de fornecedores para pagar impostos. Se não pagarem, deixam de gozar  alguns benefícios fiscais”, desabafou Cardoso.

Agora, a expectativa dos lojistas é pelo Dia das Crianças

Agora, a expectativa dos lojistas é pelo Dia das Crianças

As empresas que optam pelo simples nacional, categoria que diferencia a taxa de impostos pagos por algumas empresas, estão inclusas nessa situação. Com os impostos mais altos, consequentemente os preços dos produtos tendem a aumentar.

“Nós sabemos que o que falta ao Amapá é investimentos no sentido de atrair mais empresas para a região. O que faz o Estado ainda estar em pé são os empregos gerados pelo poder público”, disse o presidente. No início do ano os empresários do setor comercial demitiram cerca de 10% do seu quadro de funcionários. Hoje esse número pode ser maior.

 

Compartilhamentos