Compartilhamentos

SELES NAFES –

A Polícia Civil de Oiapoque está às voltas com mais um crime sexual, desta vez um radialista foi preso acusado de estuprar meninas. Segundo a polícia, ele procurava romances com mulheres que tinham filhas apenas para se aproximar das crianças e depois cometer os estupros.

Até agora a polícia sabe que isso ocorreu em duas situações. Renato dos Santos Lopes Ribeiro, de 42 anos, é natural do Maranhão. A primeira vítima do acusado tinha apenas cinco anos e hoje tem 11 anos. Foi ela quem procurou a polícia informando que estava sendo ameaçada pelo radialista.

De acordo com a polícia, ele ameaçava matar a mãe da garota se ela se decidisse revelar a história às autoridades. Os dois estavam separados havia dois anos e ele já estava vivendo com outra mulher que também tem filhas. Elas também foram estupradas. As meninas tem 4 e 7 anos.  

As verdadeiras intenções do radialista vieram à tona quando a avó da atual mulher dele, desconfiada do comportamento da neta, procurou a ex-esposa para fazer uma investigação sobre ele.

“E a ex-mulher veio aqui na delegacia com a menina agora com 11 anos depois que menina contou que durante 4 anos ela foi estuprada por ele e pelo filho que é adolescente e agora está morando no Maranhão”, contou o delegado Charles Corrêa, da Polícia Civil de Oiapoque.  

Os estupros começaram aos cinco anos e só terminaram quando houve a separação do casal. A menina já tinha completado 9 anos.

Durante dois anos ela manteve o segredo até que a avó da atual mulher do radialista decidiu investigar. Começaram as ameaças e a menina decidiu contar tudo para a mãe.

As atuais enteadas de 4 e 7 anos conversaram com a psicóloga da polícia e confirmaram os estupros. Exames comprovaram a conjunção carnal, inclusive com rompimento do ânus.

A menina de 11 anos, filha da primeira esposa dele, também foi submetida ao exame de conjunção carnal que deu positivo.

O delegado pediu a prisão preventiva do radialista que também trabalhava como padeiro em Oiapoque. Ele foi preso em casa. Já orientado por um advogado, ele não admitiu os crimes. Renato permanecerá preso por ordem da Justiça.

Compartilhamentos