Compartilhamentos

VALDEÍ BALIEIRO

O Teatro Municipal de Santana, que até chegou a ser inaugurado, em dezembro de 2012, ainda é motivo de grande dor de cabeça para moradores das redondezas. O lugar nunca funcionou por que a obra simplesmente nunca foi concluída.

Orçado em mais de R$ 3 milhões, o prédio fica na Rua Ubaldo Figueira, Bairro Nova Brasília, distante 17 quilômetros de Macapá.

De acordo com o vereador Richard Madureira (Rede), um levantamento feito por uma comissão de cultura do município aponta irresponsabilidades do atual gestor ao não buscar recursos para a conclusão da obra, que hoje é local para usuários de drogas e prostituição.

Portas do Teatro são. Fotos: Valdeí Balieiro

Pedaços de madeira sustentam a porta principal do prédio. Fotos: Valdeí Balieiro

“Na vinda do ministro da Cultura em um evento em Macapá, nós da comissão de cultura do município preparamos um dossiê e apresentamos a ele sobre a negligência com o espaço de cultura que era para estar funcionando”, diz o parlamentar.

Ele conta que para conclusão seriam necessários mais R$ 3 milhões.

“Quando o antigo gestor, já no fim de seu mandato, inaugurou a parte física do prédio, não tinha recursos para a conclusão, mas emendas já estavam sendo trazidas para que hoje o Teatro Municipal de Santana estivesse funcionando. Porém, a prefeitura não deu atenção e acabou perdendo até mesmo emendas que foram trazidas pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede)”, ressalta o vereador.

Lixo se acumula no prédio

Lixo se acumula no prédio

Um morador que preferiu não ser identificado, por receio de represália, relata que a movimentação dentro do prédio é a que mais incomoda, pois, ao chegar da universidade, sente medo de ser assaltado, já que muitas outras pessoas já foram.

“A gente fica preocupado, pois vários casos de assaltos já aconteceram aqui na rua. Eu já quase fui vítima e sempre vejo o infrator passar na minha rua”, conta o morador.

Porta arrombada

Uma das salas do Teatro teve a porta arrombada por vândalos

Durante a nossa reportagem, encontramos com o vigilante Silvio. Ele faz a segurança do prédio durante o dia, mas relata que, quando chega a noite, não pode fazer muita coisa.

“Por várias e várias vezes os impedimos de entrar, mas hoje pouco podemos fazer. Acionamos a polícia, mas os infratores fogem e depois voltam. Já arrombaram portas, janelas e até trouxeram colchões”, disse o vigilante.

Silvio ainda conta que já foi acusado pela polícia de dar cobertura para que usuários de drogas e assaltantes utilizem o prédio para se esconder.

teatro santana

Escadaria do Teatro ainda por ser concluída

A divisão de Relações Públicas e Imprensa (DRPI) do 4º Batalhão, que atua no município, informou que as rondas são feitas diariamente no bairro e que age sempre que há uma denúncia ou registro de ocorrência no local.

O site SELESNAFES.COM tentou contato com a Secretaria de Infraestrutura do município através da assessoria de comunicação da prefeitura, mas até o término dessa reportagem não houve resposta.

Compartilhamentos