Compartilhamentos

CÁSSIA LIMA

As férias são marcadas por muita curtição e brincadeiras. A cidade toda ferve com pipas no ar, crianças jogando bola e muito banho de rio. Mas tem uma criançada que faz tudo isso e muito mais no projeto Brincando nas Férias, do Sesc Araxá, que terminou esta semana. Foi uma boa opção para a criançada não cair na rotina.

A programação é realizada todos os anos e sempre começa às 8h da manhã de segunda a sábado, com atividades como futebol de sabão, dança, ‘contação’ de histórias, vôlei, banho de piscina, cinema, aula de desenhos e muitas brincadeiras.

Programação inclui atividades na piscina

Programação inclui atividades nas piscinas

“Dividimos as crianças por faixa etária e por espaço. Cada atividade é acompanhada por monitores e professores. A ideia é fazer com que elas se divirtam com todas as atividades, façam amigos e aproveitem o máximo as férias”, destacou a coordenadora do projeto, Ivana Oliveira.

O Brincando nas Férias é promovido há mais de 40 anos no Amapá, e agrega crianças de 6 até 14 anos. Esse ano a temática foi as Olimpíadas, agregando também valores tradicionais.

“Buscamos esse ano resgatar brincadeiras antigas como contação de histórias da nossa cultura, assim como cirandas e brincadeiras mais lúdicas. Para melhor aprendizado, não permitimos o uso de eletrônicos e parece que as crianças gostam ”, destaca Ivana.

Atividades lúdicas

Atividades lúdicas

As meninas Nathaly, Anna e Clara, todas de 10 anos de idade, estudam juntas a quinto ano do ensino regular, mas a saudade é tanta que elas pediram dos pais para participarem da colônia de férias.

“É muita saudade e não podíamos ficar separadas, então nossos pais nos inscreveram e viemos nos divertir. O mais bacana é o banho de piscina e a dança”, diz Nathaly em concordância com as amigas.

Futebol de sabão faz a alegria da garotada

Futebol de sabão faz a alegria da garotada

O Brincando nas Férias sempre tem duas semanas de duração e já está no segundo grupo de crianças. Só em julho passaram pelo projeto 300 crianças e adolescentes. Elas ficam na programação até o meio-dia, após isso, todas retornam para casa, mesmo contra a vontade.

“O que eu mais gosto é do futebol. Se pudesse eu não ia pra casa, ficava aqui e esperava as férias acabarem. É muito bacana”, conta o tímido João Pedro, de 9 anos, que participa do projeto nos últimos três anos.

'Contação' de histórias

‘Contação’ de histórias

Mesmo com o sucesso da colônia de férias, a coordenação já estuda fazer mudanças e incluir na programação uma espécie de minicurso para fabricação de pipas e uma turma especial para adolescentes de 14 a 17 anos.

As pipas já vão entrar na programação do próximo ano. Estamos avaliando também uma turma de adolescentes, já que os jovens são mais instáveis e não querem todas essas atividades. Isso já será novidade pra 2017”, finaliza Ivana.

Compartilhamentos