Alunos protestam contra reforma no ensino médio

Grupo de estudantes fez manifestação contra as alterações na grade curricular. Direção diz que servidores estavam sendo ameaçados
Compartilhamentos

CÁSSIA LIMA

Alunos da Escola Estadual Tiradentes, localizado no Bairro Santa Rita, realizaram ato contra a flexibilização do currículo escolar do ensino médio nesta quinta-feira, 29. O protesto na frente da escola gerou tumultos e até a Polícia Militar foi chamada no local.

José Otávio segura cartaz. Manifestação reuniu cera de 50 estudantes. Fotos: Cássia Lima

José Otávio segura cartaz. Manifestação reuniu cera de 50 estudantes. Fotos: Cássia Lima

Cerca de 50 pessoas participaram do protesto que reivindicava a não flexibilização do currículo, que prevê que os estudantes do ensino médio poderão escolher disciplinas em diferentes áreas do conhecimento, como linguagens, matemática, ciências da natureza e ciências humanas.

“Essa reforma no currículo do ensino médio é um retrocesso para a educação e os alunos não vão aceitar. Vamos enfrentar esse retrocesso nas ruas e nos próximos dias teremos manifestações nas praças de Macapá”, destacou o estudante, José Otávio.

Alunos foram proibidos de entrar

Alunos foram proibidos de entrar

Para o grupo que participou da manifestação, a educação está abandonada e não está preparada para escola em tempo integral. Eles gritaram em frente à escola e acusaram a direção de coagir os outros alunos a não se manifestar. Houve bate-boca com a diretora quando os estudantes foram proibidos de entrar na escola.

Ana Rosa.

Ana Rosa. Mobilização na frente da escola

“A direção não nos apoia porque esse é um ato em favor da real educação. Estamos mobilizados há dias e vamos levar esse ato para as ruas. Nós não vamos ter aula até o governo decidir apoiar o movimento”, explicou a aluna, Ana Rosa.

Segundo a diretora da escola, Dilciclei Ferreira, foram feitas acusações levianas e de forma desorganizada. Ela diz que o protesto da turma 315 não tem apoio dos 1.500 estudantes do Tiradentes.

Diretora da escola, Dilciclei Ferreira. Acusações levianas

Diretora da escola, Dilciclei Ferreira. Acusações levianas

“A democracia tem regras. A manifestação não pode ser feita de forma desorganizada e leviana. O que não queremos são esses gritos de desrespeito e calúnia. Já chamamos os pais dos alunos e não vamos permitir que isso se repita. Chamamos o policiamento escolar porque os servidores da portaria estavam sendo ameaçados por essa minoria que não tem apoio”, disse.

O policiamento escolar foi ao local, conversou com os estudantes e permitiu que os alunos ficassem na escola desde que o ato fosse pacífico.

Escola Tiradenes

Escola Tiradentes. Policiamento garantiu protesto pacífico

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.