Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

Agora é definitivo. Não haverá desfile das escolas de samba no período do carnaval em Macapá. A proposta da Liga das Escolas de Samba do Amapá (Liesap) é fazer o ‘Carnaval Equinocial’, que seria um grande evento nos dias 22 e 23 de setembro envolvendo todas as escolas de samba, tanto do grupo especial quanto do grupo de acesso. O projeto prevê que o evento tenha transmissão ao vivo pela TV.

As quatro escolas do grupo de acesso já teriam fechado com o evento. A Liesap diz que ainda restam as escolas do grupo especial aceitarem a proposta.

Vicente Cruz: queremos Procon mais perto da população

Vicente Cruz: qdo grupo especial, Boêmios do Laguinho aceitou a proposta. Foto: arquivo/SELESNAFES

Vicente Cruz, em entrevista ao portal SELESNAFES.COM no início da tarde desta segunda-feira, 16, disse que já conversou com a agremiação Boêmios do Laguinho, que aceitou a proposta. Com isso, restam apenas cinco escolas concordarem com o novo calendário.

“Já estamos meio caminho andado com Piratas Estilizados e Piratas da Batucada, falta apenas Maracatu, Cidade Macapá e Unidos do Buritizal, que ainda não conversamos”, ressaltou o presidente.

Carnaval Equinocial x Recursos

O Carnaval Equinocial, como está sendo chamado pela liga, será realizado no período do Equinócio da Primavera.

Para não deixar a data oficial do carnaval passar em branco, a Liesap estuda a possibilidade da realização de um grande ensaio técnico com todas as escolas ou um festival de samba enredo.

Para a realização do evento, Vicente Cruz conta com o aporte de um grupo empresarial do Amapá, que já sinalizou a aplicação de R$ 1 milhão, incluindo a transmissão ao vivo da festa.

Além desse recurso, o presidente pretende alcançar um outro direcionado para eventos culturais no estado e que pode chegar a R$ 2,5 milhões.

 Liesap estuda fazer ensaio técnico em fevereiro. Foto: arquivo/SELESNAFES

Liesap estuda fazer ensaio técnico em fevereiro. Foto: arquivo/SELESNAFES

As escolas de Samba

Na semana passad,a Marcelo Zona Sul, da Piratas da Batucada, e Marcelo Flexa, da Piratas Estilizados, disseram que as escolas não aceitariam desfilar no dia sugerido pela liga e que até aquele momento não haviam sido procurados pela entidade.

Compartilhamentos