Compartilhamentos

OLHO DE BOTO

Um passeio em família durante o feriado desta sexta-feira, 14, terminou em tragédia na zona oeste de Macapá. Um menino de 13 anos morreu afogado enquanto os parentes tomavam banho em um pequeno balneário particular.

A tragédia ocorreu por volta das 14h, na Rua Mário Veloso, no Marabaixo IV. O pequeno lago fica numa propriedade cedida pelo dono para que a família, com cerca de 15 pessoas, a maioria crianças, pudesse se divertir durante o feriado.

“Quando a família estava indo embora eles sentiram falta dele. Eu também não pensava que tinha acontecido essa fatalidade. Não tinha ninguém bebendo, aqui são todos evangélicos”, comentou o proprietário do terreno, Wagner Lima.

Momento de desespero da família ao encontro o corpo do menino

Momento de desespero da família ao encontrar o corpo do menino

Corpo de Bombeiros disse que foi acionado quando o menino já estava desaparecido há 40 minutos

Corpo de Bombeiros disse que foi acionado quando o menino já estava desaparecido há 40 minutos

O lago tem aproximadamente 3 metros de profundidade. Foi um tio do menino, por volta das 15h, quem encontrou o garoto no leito.

“Quando acionaram o Corpo de Bombeiros ele já estava desaparecido há 40 minutos. A gente estava vindo para auxiliar nessa procura, e quando chegamos já tinham achado a criança. Estavam tentando fazer reanimação dele, e nós continuamos os procedimentos”, relatou o capitão Félix, do CBM.

Lago tem aproximadamente 3 metros de profundidade. Fotos: Olho de Boto

Lago tem aproximadamente 3 metros de profundidade. Fotos: Olho de Boto

Capitão Félix: anormalidade no pescoço

Capitão Félix: anormalidade no pescoço

No entanto, Maurício Ramos Gomes, de 13 ano, não apresentava mais sinais vitais. O óbito foi confirmado por um médico do Samu. A família entrou em desespero, mas nada mais podia ser feito.

“Ele não sabia nadar, mas as pessoas só deram falta dele quando estavam indo embora. Eles são moradores dos Congós, e estamos apenas esperando a perícia para saber o que aconteceu”, comentou o aspirante Elison, do 6º BPM.  

Os bombeiros verificaram uma “anormalidade” no pescoço do menino, mas só a Polícia Técnica do Amapá (Politec) vai confirmar o que houve.

Compartilhamentos