Compartilhamentos

OLHO DE BOTO

Durante o cerco a uma residência onde funcionava um laboratório de drogas, na zona norte de Macapá, um traficante atirou quatro vezes contra policiais do Bope e acabou morrendo no revide. O tiroteio ocorreu por volta das 22h40min desta sexta-feira (19).

A equipe do Canil do Bope estava dando apoio ao Batalhão de Rádio Patrulhamento Motorizado (BRPM) numa ocorrência de tráfico de drogas, na Rua Limão, no Bairro Açaí.

Marcos Souza, o “Cavalo”, chega ao HE. Fotos: Olho de Boto

Policiais do Canil do Bope davam apoio a uma incursão do BRPM

No cerco ao imóvel, três homens iniciaram a fuga, e um deles atirou com um revólver calibre 38 contra as equipes. Policiais do Canil do Bope reagiram e atingiram o criminoso. Os dois outros conseguiram fugir.

“As equipes focaram no elemento que estava disparando contra os policiais. Depois vamos identificar esses dois”, adiantou o tenente Hércules, do Bope.

O criminoso, identificado mais tarde como Marcos Souza, o “Cavalo”, ainda foi levado com vida para o Hospital de Emergência de Macapá, mas não resistiu aos ferimentos.

Dentro do imóvel, onde o tiroteio ocorreu, nem foi preciso o cão farejador para que as drogas fossem localizadas. Os entorpecentes estavam em cima da pia da cozinha onde eram manuseados.

“No local não havia nenhuma família. Foi apreendido mais de um quilo de maconha, mais de 200 gramas de cocaína, R$ 1,2 mil em dinheiro e balança de precisão”, informou o oficial.

Drogas estavam em cima da pia da cozinha

Por que reagir?

No Amapá, é bem comum os criminosos reagirem atirando e depois serem mortos no revide. O tenente Hércules acredita que existam três razões para a reação violenta dos bandidos: primeiro, eles podem estar sob o efeito de drogas.

Em segundo lugar, o criminoso decide arriscar tudo por estar devendo dinheiro ao fornecedor das drogas.  

“Mas a maior motivação é tentar fugir imaginando que os policiais irão recuar, mas isso nunca irá ocorrer”, avisou o oficial.

Compartilhamentos