Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

Os moradores dos Congós, o quinto bairro mais populoso de Macapá, têm se queixado da demora na conclusão da obra da única Unidade Básica de Saúde (UBS) do bairro, e da remoção das ruínas de um antigo parquinho localizado no canteiro central da Rua Claudomiro de Moraes.

O bairro, com mais de 32 mil habitantes, fica localizado na zona sul de Macapá. Os problemas são comuns se comparados a outros bairros da cidade. O principal deles, apontado pela presidente da Associação de Moradores, Marcione Santana, é falta de uma UBS que atenda a comunidade. A UBS dos Congós está em reforma desde o início do ano. 

Placa da obra indica atraso na entrega. Fotos: André Silva

“A obra que seria entregue em 120 dias está aí. A situação é essa que você vê, obra parada. Há mais de um mês nós questionamos sobre isso sem resposta”, protestou a presidente. 

As pessoas que procuram por acompanhamento médico estão sendo atendidas em uma paróquia próxima da UBS e em unidades próximas do bairro. Lá, a presidente reclama que nem todos conseguem consultas e para um atendimento precisam passar a noite na fila. 

Sem trabalhadores no local, obra parece estar parada

Canteiro Central 

 Outra problemática apontada pelos moradores é a falta de manutenção no parque instalado no canteiro central  da Rua Claudomiro de Moraes. O que resta dos brinquedos são ruínas. Já há mais de um ano, eles solicitam a intervenção do município mas sem sucesso. Os moradores solicitaram à prefeitura que retire o parquinho e instale uma academia ao ar livre. 
“As guaritas daqui só servem para jogar cachorro morto. A gente cobra, eles respondem e a gente dá um tempo. Pedimos também que eles desenvolvam outro projeto que permita reutilizar esses quiosques para gerar empregos”, reforçou o presidente do conselho fiscal da associação, Dione Coutinho.

Canteiro central também está com praça sem reparos

Moradores querem substituição por academia ao ar livre

“Nossas crianças correm risco de morte nesse parquinho. O trânsito nesta rua é muito intenso”, relatou o autônomo José Braga, de 32 anos. 

Em relação ao andamento da obra da UBS, a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) informou que 20% da obra está concluída e aguarda o repasse dos outros 80%. A Secretaria não soube informar quando o repasse será feito. 
Em relação a manutenção do canteiro central, a Secretaria Municipal de Obras (Semob) não retornou nosso contato. 
Compartilhamentos