Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

O presidente Conselho Tutelar da Zona sul de Macapá, Márcio Barreto, foi condenado nesta sexta-feira (25) a perda do mandato. Ele e outra conselheira, que ainda está sendo julgada, foram acusados de desviar objetos de dentro conselho.

A comunicação do sumiço do material partiu de uma conselheira tutelar e chegou ao Conselho Municipal do Direito da Criança e do Adolescente, órgão fiscalizador das ações dos Conselhos Tutelares de Macapá.

Foi notado que os objetos, frutos de um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) entre o Ministério do Trabalho e uma loja de eletrodomésticos no valor de R$ 19 mil, não haviam chegado em sua totalidade ao conselho, e os que lá chegaram haviam sumido. Entre os objetos estão uma televisão, um computador e um equipamento de som.

O conselheiro alegou em sua defesa que teria usado os objetos em palestra em uma escola em janeiro deste ano. Ele apresentou uma testemunha que confirmou a versão, mas ela não soube dizer quem estava na palestra e como ela ocorreu.

“Ele apresentou outra testemunha, um servidor que disse que o teria levado até a escola. Só que quando foi solicitada a folha de ponto desse servidor, constatou-se que ele não estava lotado como motorista e no dia do evento ele assinou o ponto como se tivesse trabalhado até às 14h e a palestra teria sido a noite”, explicou a advogada, Rafaela Priscila Borges, que acompanhou todo o processo a pedido da conselheira que formalizou a denúncia.

O conselho, composto por 10 agentes fiscalizadores dos direitos das crianças e adolescente, decidiu por 7 votos a perda imediata do cargo do conselheiro. Ele ainda está sendo investigado pela Promotoria de Patrimônio Público por recebimento indevido de valores.

Além dele, outra conselheira também está tendo sua conduta apurada pelo conselho, porque também teria levado uma televisão para casa.

O portal SELESNAFES.COM entrou em contato com o conselheiro Marcio Barreto por meio de ligações e mensagens de textos, mas ele não retornou os contatos.

Compartilhamentos