Compartilhamentos

OLHO DE BOTO

Uma confusão na noite deste domingo, 23, fez a Companhia Municipal de Trânsito e Transportes (CTMac) decidir pela suspensão do serviço de guincho em Macapá.

Barrado no portão da garagem da companhia, o proprietário de uma das empresas de guincho resolveu deixar um carro apreendido na porta da entrada do órgão como protesto.

Alex Souza diz que trabalha há 9 anos para a CTMac, e foi chamado pela Guarda Municipal para guinchar um carro que havia sido apreendido por volta das 21h. O serviço foi feito, mas o caminhão foi impedido de entrar na garagem do órgão por causa de uma portaria que proíbe a entrada no local a partir das 19h.

“Não estão deixando a gente entrar. Lá trabalha carro com documentos atrasados, placa cinza, e eu trabalho com todos os documentos em dia. Depois da “Operação Guincho” fiquei bloqueado de entrar, mas me respaldei com a justiça e voltei a trabalhar normalmente. Vou largar o carro na calçada. O presidente me autorizou a deixar na calçada”, disse visivelmente irritado o empresário Alex Souza, por volta das 23h30min.

Carro foi apreendido pela Guarda Municipal. Fotos: Olho de Boto

A Courier branca foi colocada na entrada da garagem, e só foi recolhida para dentro do pátio da CTMac pela manhã.

 “O que eu posso fazer? Não tenho como guardar o veículo e não posso deixar o carro em cima do meu caminhão. Como vou atender outra ocorrência particular?”, indagou Souza.

A Operação Guincho foi realizada pela Polícia Civil em abril do ano passado para investigar um grupo que cobrava propina para liberar veículos, falsificava CNHs e fraudar multas para que motoristas pagassem valores menores. Treze pessoas foram presas.  

O presidente da companhia, André Lima, que está em viagem a Brasília, confirmou que recebeu um telefonema do proprietário do caminhão guincho informando que ele havia sido barrado pelo porteiro. Lima disse que enviou um diretor ao local para receber o veículo, mas o empresário teria alegado que preferia esperar pela chegada da imprensa para registrar o que estava ocorrendo.

Alex Souza preferiu deixar o carro na porta da garagem como protesto

Sobre as denúncias de que existem carros com placas cinzas fazendo o serviço de guincho, André Lima disse que das cinco empresas que haviam no início do ano, apenas duas foram autorizadas a continuar o trabalho.

Ele também informou que mandou instaurar procedimento para apurar a ocorrência da noite de domingo, e adiantou que vai suspender o serviço de guincho por pelo menos uma semana.

“A nossa ideia é assumir esse serviço e acabar com essa confusão. Já procuramos o Detran que tem dois veículos como esse parados e vamos solicitar um convênio”, revelou o presidente da CTMac.

Compartilhamentos